Plano de Saúde: O Guia Definitivo

Tudo o que você precisa saber sobre plano de saúde antes de contratar o seu

No Brasil, embora haja atendimento público de saúde, esse atendimento deixa a desejar em muitos pontos. Portanto, ter um plano de saúde privado é uma ótima forma de ter acesso a atendimento de qualidade, rede de hospitais de alto nível e não ficar horas em filas, ou sem o cuidado necessário. Para quem tem dúvidas sobre planos de saúde, esse é o guia definitivo de plano de saúde, para você tirar todas as suas dúvidas. 

Os planos de saúde são regulamentados e fiscalizados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no Brasil. É essa agência que determina quais os procedimentos mínimos em saúde que todos os planos devem cobrir, além de fiscalizar o cumprimento da legislação vigente. 

Vamos falar sobre o que é um plano de saúde, as vantagens de se ter um para você, sua família ou empresa, os tipos de planos de saúde existentes, bem como o que é carência e como fazer portabilidade entre planos de saúde. Confira! 

O que é um plano de saúde?

Um plano de saúde é uma assistência médica particular, administrada por uma operadora de saúde, para a qual o beneficiário paga um valor mensal, que dá direito ao acesso aos servidos oferecidos por esse plano. 

Cada plano de saúde tem uma rede credenciada de médicos e laboratórios, bem como hospitais. E por lei, os planos de saúde são obrigados a cumprir o que está determinado no rol de procedimentos da ANS

Tipos de planos de saúde 

Existem várias operadoras de planos de saúde que comercializam diferentes tipos de planos. Saiba quais os diferentes tipos de planos de saúde existentes no mercado. 

  1. Plano de saúde individual

Nesse plano, o contrato entre a operadora e o plano de saúde é somente através do CPF do beneficiário, o qual é o único beneficiário desse plano. Ou seja, em um plano de saúde individual não se pode acrescentar dependentes. 

Existem vantagens nesse tipo de plano e a principal é que o índice de reajuste é determinado pela própria ANS e costuma ser mais baixo do que o índice de reajuste determinado pelas operadoras nos demais tipos de plano. 

Porém, também há desvantagens nesse tipo de plano, que incluem geralmente uma rede credenciada menor e mais regional do que em outros tipos de plano. Além disso, há menos diferenciais e há operadoras que não comercializam planos de saúde individuais. 

  1. Plano de saúde familiar 

No plano de saúde familiar, um beneficiário (o titular do plano) pode incluir familiares, sendo os dependentes. 

A ANS também determina o índice de reajuste desses planos, assim como os planos individuais. As desvantagens são as mesmas, principalmente em relação à rede credenciada, que costuma ser menor e regionalizada. 

  1. Plano de saúde coletivo por adesão 

Para ter acesso a esse tipo de plano de saúde, o indivíduo precisa pertencer a um determinado grupo ou associação, por exemplo. 

Então, essa associação faz a contratação desse tipo de plano e oferece a seus associados. É o caso, por exemplo, da Associação Paulista dos Cirurgiões-dentistas (APCD), que oferece planos de saúde coletivos por adesão a seus associados. 

  1. Plano de saúde empresarial 

No plano de saúde empresarial, uma empresa faz a contratação de um plano de saúde com seu CNPJ e esse plano é oferecido a seus colaboradores. 

Existem planos de saúde para MicroEmpresários Individuais (MEI), empresas pequenas, médias e grandes. 

De fato, oferecer um plano de saúde para seus colaboradores é um ótimo investimento da empresa, pois, isso reflete em muitas vantagens, para a própria empresa: 

  • Colaboradores mais satisfeitos, com melhor acesso à saúde, o que significa menor índice de faltas ou afastamento por problemas de saúde (redução do absenteísmo); 
  • Retenção dos melhores talentos, que sempre buscam empresas que oferecem bons planos de saúde; 
  • Aumento da produtividade; 
  • Aumento indireto do salário; 
  • Declaração do investimento feito em planos de saúde no Imposto de Renda, com dedução; 
  • Maior oferta de diferentes planos de saúde, com excelentes redes credenciadas nacionais e até atendimento internacional. 
  1. Plano de saúde para idosos 

Quem tem mais de 59 anos também pode ter um plano de saúde. Todos os planos de saúde podem contratar beneficiários com mais idade. Há, inclusive, opções de planos para aposentados e inativos também

Existem planos focados em faixas etárias mais avançadas, denominada sênior. Uma crítica feita a esses planos é seus valores mais elevados. 

Porém, com bastante pesquisa e com auxílio de um corretor de seguros, é possível encontrar planos de saúde para indivíduos com mais de 59 anos que possuem preços dentro da média, sobretudo se o indivíduo não tiver nenhuma doença preexistente. 

  1. Planos de saúde com coparticipação 

Essa é uma categoria que pode estar presente em qualquer tipo de plano de saúde. De fato, o plano de saúde pode ser integral ou com coparticipação. 

No plano de saúde integral, o beneficiário paga uma mensalidade, com acesso a todos os serviços do plano, sem precisar pagar mais nenhuma taxa. A desvantagem é que os valores de mensalidade podem ser mais elevados. 

Entretanto, em um plano de saúde com coparticipação, os valores de mensalidade são bem mais amenos. Mas, a cada acesso a um serviço do plano, é cobrada uma taxa. Ou seja, o beneficiário paga uma taxa caso compareça a uma consulta, faça um exame, ou tenha uma internação hospitalar, por exemplo. 

Os valores dessas taxas são regulamentados pela ANS, ou seja, o beneficiário também não precisa se preocupar que valores absurdos serão cobrados. Um lado importante dos planos de saúde com coparticipação é que eles estimulam, indiretamente, o uso consciente do plano de saúde pelos beneficiários

Assim, optar por um plano de saúde com coparticipação pode ser uma maneira bem inteligente de economizar com o plano de saúde

  1. Plano de saúde ambulatorial, hospitalar com ou sem obstetrícia e de referência 

Ainda nos tipos de planos de saúde, você pode ter um plano de saúde ambulatorial, que cobra consultas e exames clínicos, mas não cobre internações hospitalares. 

Já um plano de saúde hospitalar cobre internações em hospitais, porém não cobre consultas. O plano de saúde hospitalar poderá ser com obstetrícia ou sem obstetrícia. 

Quando é com obstetrícia, significa que procedimentos de parto a termo poderão ser feitos com cobertura do plano, desde que o período de carência já tenha sido cumprido. Por outro lado, um plano de saúde hospitalar sem obstetrícia não inclui a cobertura de parto a termo. 

E um plano de saúde de referência, um dos mais contratados pelos beneficiários, é o que possui cobertura tanto de consultas e exames clínicos, quanto de internações hospitalares. É o plano mais completo, visto que o beneficiário tem a cobertura tanto de consultas ambulatoriais, quanto de atendimento hospitalar, caso necessite. 

Vantagens de se ter um plano de saúde 

Há várias vantagens em se ter um plano de saúde, algumas, inclusive, já mencionadas nesse artigo. 

Você terá acesso a atendimento em saúde de qualidade, com médicos, clínicas, laboratórios e hospitais da rede credenciada do seu plano. 

Assim, você poderá cuidar mais da sua saúde e da sua família, o que refletirá em outros aspectos da sua vida. Com mais acesso, você consegue fazer consultas preventivas e cuidar de problemas de saúde, logo que eles surgem, sem deixar o quadro se complicar. Além de poder se planejar financeiramente com os gastos com saúde. 

Quem tem mais saúde consegue ser mais produtivo e também mais feliz. Portanto, é um excelente custo-benefício ter um plano de saúde para você e sua família. 

Plano de saúde custa caro? 

A resposta para essa pergunta é depende do plano. Há planos cujas mensalidades têm valores mais elevados. Porém, outros têm valores mais amenos. 

Tudo depende do tipo de plano de saúde que você procura e que atenderá suas demandas com qualidade. Planos de saúde com rede credenciada nacional costumam ter valores de mensalidades mais elevados do que planos de saúde regionais. Quanto mais completa e extensa for a rede credenciada provavelmente mais alto será o valor da mensalidade desse plano. 

Existem também planos considerados premium, cuja rede credenciada e outros benefícios resultam em valores de mensalidades mais elevados. Esses planos, em geral, oferecem até 100% reembolso de consultas particulares e até atendimento no exterior. 

Em geral, é possível sim ter um bom plano de saúde, sem causar estragos no orçamento. Por isso, buscar um plano de saúde ideal para você é tão importante! 

Vale lembrar que uma das vantagens de um plano de saúde é poder se programar financeiramente com os gastos com saúde. Imagine precisar de um leito de UTI, não ter plano de saúde e não ter nenhuma vaga no Sistema Único de Saúde? 

Ao ter um plano de saúde com cobertura hospitalar, por exemplo, você não precisará se preocupar com os gastos de uma internação em uma UTI particular, visto que seu plano já terá essa cobertura. 

O que é carência do plano de saúde? 

A carência é um período determinado por lei no qual o beneficiário ainda não tem acesso a determinados serviços do plano de saúde, embora já esteja pagando a mensalidade. 

Esses períodos de carência são determinados pela ANS e servem para planos individuais e familiares, mas não para planos empresariais, com mais de 30 pessoas. 

Dessa forma, planos empresariais com mais de 30 pessoas não possuem carência. 

  1. Períodos de carência 
  • Atendimento de urgência ou emergência: 24 horas; 
  • Internações hospitalares e cirurgias eletivas (não de emergência): 180 dias; 
  • Parto a termo (não parto prematuro): 300 dias; 
  • Doenças preexistentes: 24 meses. 

Porém, o beneficiário uma vez que tenha cumprido essa carência no plano de saúde, ao exercer a portabilidade e trocar de plano de saúde, não precisará cumprir a carência novamente. 

O que é portabilidade entre planos de saúde e como fazer? 

A portabilidade entre planos de saúde, na verdade, significa, portabilidade de carências. Isso quer dizer que o beneficiário poderá trocar de um plano de saúde de uma operadora para outro plano de saúde de outra operadora, sem precisar cumprir novamente as carências. 

Caso seja a primeira vez que o beneficiário exerça seu direito de portabilidade, ele deverá estar no mínimo há 2 anos no plano atual, que também deverá estar ativo e o beneficiário com as mensalidades em dia. 

Se for a segunda vez que o beneficiário exerce a portabilidade, então, é necessário um ano de permanência no plano de saúde atual. 

Assim, a portabilidade deverá ser exercida antes do cancelamento do plano de saúde atual. 

Outra informação importante é que o beneficiário só poderá exercer a portabilidade entre um plano de saúde para outro da mesma faixa de preço. Em caso de dúvidas, se o plano de saúde de objetivo é compatível com portabilidade, o próprio beneficiário pode consultar o site da ANS, ou então, um corretor de seguros

Como é o reajuste 2023 do plano de saúde? 

Antes de falarmos sobre o reajuste 2023 do plano de saúde, é importante saber que todo plano de saúde possui dois tipos de reajuste: um reajuste anual e outro reajuste por mudança de faixa etária. 

No caso do reajuste por mudança de faixa etária, a própria ANS determina algumas regras importantes, sobre as quais falaremos a seguir. 

A começar, não pode haver uma diferença maior de 6x entre a primeira e a décima (última) faixa etária. Portanto, a operadora só poderá aplicar o valor máximo de 500% de reajuste entre a primeira faixa etária e a última.

Assim, em um determinado plano de saúde, por exemplo, se na primeira faixa etária (de 0 a 18 anos), o valor do plano de saúde é de R$ 500,00, para um paciente de 59 anos, o valor cobrado deverá ser de no máximo R$ 3.000,00.

Afinal, o índice determinado pela ANS pelo reajuste por faixa etária é de no máximo 6x entre o valor da primeira faixa (R$ 500,00) e o valor da última faixa (R$ 3.000,00).

Outra regra determinada pela ANS em relação ao reajuste da faixa etária se concentra na variação acumulada entre a sétima faixa (44 anos) e a décima faixa (59 anos), a qual não pode ser superior à variação entre a primeira faixa e a sétima.

Isso porque a ANS proíbe que as operadoras apliquem aumentos abusivos para beneficiários das faixas etárias mais avançadas, ou seja, com mais idade. Inclusive, beneficiários com mais de 59 anos (última faixa etária), com mais de 10 anos de planos, não poderão mais sofrer reajuste por faixa etária.

Com isso, a operadora do plano de saúde não poderá colocar índices mais altos de reajustes para idades mais avançadas no que se refere ao reajuste de faixa etária. 

No entanto, isso nem sempre seja observado por todas as operadoras, resultando em vários processos judiciais de beneficiários de mais idade contra determinadas operadoras de planos de saúde.

Algo bem importante é que o reajuste anual para o seu plano de saúde poderá ser determinado pela própria ANS, no caso de planos individuais ou familiares, ou pela operadora, para os demais planos de saúde. 

Reajuste determinado pela ANS para planos individuais/familiares em 2023 

Na data de 12 de junho de 2023, a ANS determinou o limite de aumento para planos individuais e familiares. Esse índice de reajuste para esses planos ficou limitado a no máximo 9,63%. 

Esse índice atinge aproximadamente 8 milhões de beneficiários (16%) que possuem planos individuais ou familiares no Brasil. É um número bem menor do que o número de beneficiários com outros tipos de planos de saúde, que chega a 50,6 milhões de beneficiários. 

Vale lembrar que são as operadoras de planos de saúde que determinam o índice de reajuste para os planos coletivos por adesão e também para os planos de saúde empresariais. Cada operadora trabalha com uma data para divulgar esse índice de reajuste anual para esses planos. 

O que é sinistralidade e como ela pode afetar o quanto você paga pelo plano de saúde?

A sinistralidade é um índice que pode afetar bastante o quanto você ou sua empresa pagam pelo plano de saúde. Esse índice significa a diferença entre as receitas recebidas pelo plano de saúde, com o pagamento das mensalidades de todos os beneficiários, menos o que o plano de saúde teve de gastos, com os acessos aos serviços. 

Quando um plano de saúde é utilizado de forma não-consciente, ou então, quando há um elevado índice de longas internações e procedimentos de alto custo, como cirurgias complexas, esse índice costuma ficar negativo. 

E a operadora de um plano de saúde é uma empresa, que buscará lucro. Assim, ela repassará o “custo” desse índice para a empresa no ano seguinte, com o reajuste anual. 

Devido a alto índice de sinistralidade, algumas operadoras praticaram índices extremamente altos de reajuste anual. Se esse foi o caso da sua empresa, com a atual operadora do plano de saúde, é fundamental tomar algumas ações: 

  • Negociar com a operadora, para poder haver um índice de reajuste anual, para o plano de saúde empresarial, mais ameno; 
  • Investir em ações preventivas de saúde, com o intuito de melhorar a prevenção de problemas de saúde de seus colaboradores; 
  • Adotar programas preventivos dentro da empresa, tais como, estímulo à vacinação, prática de atividade física e alimentação saudável, controle da hipertensão, visando prevenir doenças agudas, como gripe e COVID e doenças crônicas, como diabetes, síndrome metabólica e problemas cardiovasculares, por exemplo; 
  • Informar os colaboradores sobre programas de saúde gratuitos realizados em unidades básicas de saúde, que incluem até entrega de medicamentos de alto custo de forma gratuita em algumas cidades brasileiras; 
  • Realizar exames periódicos de saúde, em conjunto com médicos do trabalho, para verificar como anda a saúde dos colaboradores e se tratamentos preventivos podem melhorar o quadro. 

É importante citar que não é somente a sinistralidade que determina o valor do reajuste anual. A inflação médica é outro índice que também costuma afetar o reajuste anual determinado pelas operadoras de planos de saúde. 

No intuito de tentar aliviar o reajuste anual dos planos de saúde, sobretudo o impacto causado pelo índice de sinistralidade, grandes empresas, com planos de saúde de referências para inúmeros colaboradores, adotam a contratação de um seguro stop loss

Como contratar um plano de saúde?

Agora que você já tem todas as informações importantes nesse guia definitivo de plano de saúde, como contratar um plano de saúde para você, sua família ou para sua empresa? 

Primeiramente, é importante fazer uma boa pesquisa entre os variados planos de saúde e suas operadoras, para já ter uma boa ideia de planos que podem atender à sua demanda. Aqui, no blog, você encontra informações detalhadas sobre diversos planos de saúde, tais como Porto Seguro Saúde, Sul América Saúde, Prevent Senior, Bradesco Saúde, dentre outros. 

Depois, você pode entrar em contato com nossos corretores para receber, de forma gratuita, uma cotação atualizada e opções de planos de saúde. 

Para a contratação de um plano de saúde, o beneficiário deverá entregar documentos pessoais, como RG e CPF, por exemplo. No caso de planos de saúde empresariais, o CNPJ da empresa é necessário para a contratação. 

Caso o beneficiário esteja interessado em portabilidade, então, além dos documentos pessoais, também deverá entregar a carta de permanência, que poderá ser solicitada ao plano atual. 

Dicas para a contratação de um bom plano de saúde 

Por último, vamos te deixar algumas dicas para você contratar um bom plano de saúde. 

  • Defina suas demandas e o tipo de plano de saúde indicado (individual/familiar ou empresarial; com coparticipação ou de referência; com ou sem obstetrícia); 
  • Saiba sua faixa de preço, para escolher uma mensalidade que não cause grande impacto em seu orçamento; 
  • Pesquise diferentes planos de saúde de variadas operadoras, para comparar as vantagens e desvantagens de cada uma e assim, poder ter uma boa base de comparação entre elas; 
  • Sempre busque informações sobre planos de saúde em sites qualificados, que analisam criteriosamente cada plano e as operadoras, apresentando as vantagens e desvantagens de cada uma;
  • Entre em contato conosco e solicite cotações, de forma gratuita; 
  • Compare os diferentes planos de saúde e escolha o que melhor te atenderá. 

Ainda ficou alguma dúvida ao final desse guia completo sobre planos de saúde? Estamos à sua disposição para tirar todas as suas dúvidas e te apresentar as melhores opções de planos de saúde! 

Abrir bate-papo